EUA e Israel acusados de se envolver em “guerra cibernética”

malware

Reportagem cita fontes anônimas do governo norte-americano que confirmam que EUA e Israel desenvolveram um malware  para atacar o Irã.

Os governos dos Estados Unidos e Israel se uniram para criar o vírus Flame, um dos mais perigosos já descobertos na internet, com o objetivo de criar uma ciberguerra contra o inimigo Irã. A acusação é velha, mas ganha novas provas depois de uma reportagem do Washington Post, publicada na última terça-feira. Anônimas, as fontes da matéria foram citadas como “oficiais ocidentais com conhecimento do projeto”.

O programa malicioso pode roubar informações como conteúdos de um computador, dados em sistemas específicos ou de contatos, arquivos armazenados, documentos e até mesmo conversas em áudio. Ele teria sido criado em um projeto conjunto entre EUA e Israel, nomeado ‘Olympic Games’ (‘Jogos Olímpicos’), que também teria gerado o vírus Stuxnet. O projeto teria envolvido a CIA, a Agência de Segurança Nacional e alguns representantes das forças armadas israelenses.

“Trata-se de preparar o campo de batalha para um outro tipo de ação encoberta”, disse uma fonte anônima citada como “um oficial de alta patente do serviço de inteligência norte-americano”.  Estados Unidos e Israel já negaram várias vezes a concepção do malware, descoberto pelo Irã depois que diversas de suas estações de petróleo começaram a ser atacadas. A intenção seria descobrir detalhes sobre o suposto plano nuclear iraniano.

O Kaspersky Lab – firma de segurança capitaneada pelo russo Eugene Kaspersky – afirmou que o Flame é o malware mais perigoso já desenvolvido até hoje.

Nós vimos em:

Olhar Digital

| | | | |

Coloral

Músico, aficionado por tubaína e novidades digitais. Planner de Social Media na Formula Ideal, desenvolvendo estratégias para campanhas e ações nas Mídias Sociais com o objetivo de criar laços de relacionamento entre as marcas e seus clientes.